sábado, 31 de dezembro de 2011

[...]

aqui
onde as palavras
ainda chegam
sento-me e
escrevo
me

[quase em silêncio]

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

DIZ-ME

Diz-me

diz-me
o que é o amor

os teus lábios
pesados nos
meus

Diz-me

diz-me
o que é o amor

carícia a carícia
os nossos corpos
lendo-se devagar

Diz-me

diz-me
o que é o amor

diz-me mais uma vez
que estou quase
a esquecer-me

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

POEMA EM BRANCO




Abro mais um
livro de poesia e
leio poema atrás

de poema com
redobrado
espanto.

Os poemas não são
apenas as palavras
em que se escrevem.

O branco da folha
também faz parte
do poema.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Festas Felizes


Fez das tripas coração e enfiou o barrete mais uma vez. Cada vez lhe custava mais fazer de Pai Natal.

foto daqui

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Salva-vidas





Dentro e fora de mim
a vida convida à vida
a vida que me é devida
a vida ávida de vida
a vida mais que indevida
que mato uma e outra vez
quanto mais tento salvá-la
dentro e fora de mim.

2por2

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Hoje de manhã


Hoje de manhã
no café
ao olhar umas velhas
fotografias

tive um claro
relance do mercado
tal qual era
para mim
antes de se ter tornado
um monstro.

A banca de peixe
do senhor Joaquim
onde a minha mãe
comprava chaputa
para filetes.

A banca de flores da tia
da minha irmã
clara e vidente
tal e qual a
avó.

E eu
entre lá e cá
entre cá e lá.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

PEQUENO CONTO DE NATAL

Quando o Pai Natal o abordou no Centro Comercial com palavras amáveis de consumo fácil, não aguentou mais e agrediu-o violentamente com o saco das prendas.
É verdade que não gostava muito do Natal, mas detestava acima de tudo as pessoas que se esforçam por parecer quem não são.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

[quem quiser que dê um titulo a este poema]



Talvez o arqueiro
não queira acertar
no centro do alvo

e sim no centro de
si mesmo, mas isso
pouco me importa.


Todas as acções
têm um fim, dentro
e fora de nós.

Por isso agarra-te bem
ao como e para quê
de cada acção

e depois
desprende-te
e deixa-te ir.  

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Exercícios de Estilo




Metáforas à parte, disse o canibal, comia-te toda.


Ai querido!
Ai querido!
Ai querido!
Gosto tanto quando me fazes
repetitiva!


- Ana, estás quieta ou não?
- Ana, estás a ouvir-me?
- Ana, estás aqui estás na rua!
- Ana, fora!


Nunca começava coisa alguma. Dizia que era uma questão de princípio.


Estava tão cansado de ser pisado que um dia tirou-se debaixo dos pés do seu proprietário, fazendo-o cair aparatosamente. Escusado será dizer que o homem ficou muito magoado.


Era um homem bom na sua maldade e mau na sua bondade, ou seja, era bom a ser mau e mau a ser bom.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

EXERCÍCIOS DE ESTILO - Parábola

Digam-me se preferem a primeira ou a segunda.

...

Matou o marido e cozinhou-o. Sabia mal. Confirmou desta forma que ele era tão mau quanto parecia.

...


Matou o marido e cozinhou-o. Sabia bem. Confirmou desta forma que ele não era tão mau quanto parecia ser.

...

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

3 x poema

1.

Escreveu um poema e fez dele a sua casa. O poema era pequeno e não tinha água canalizada, mas podia levá-lo para todo o lado e tinha uma extraordinária vista sobre o ser.

2.

Escreveu um poema e viu-se nele. Escreveu outro poema e sentou-se nele.
Disseram-lhe que devia escrever mais.
Respondeu sem hesitar que só escrevia poemas quando precisava muito.

3.

Escreveu o melhor de todos os seus extraordinários poemas e decidiu nunca mais escrever.
Estava demasiado agradecido às palavras parar continuar a torturá-las.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

RETRATO


Luís, não queres actualizar o meu retrato? :)

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

MÁxima

Não dês demasiada importância ao sexo; o sexo é demasiado importante para isso.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

NO CENTRO - poema breve com anáfora


No centro da folha
escrevo o poema.

No centro do poema
escrevo-me a mim.

HOMEM DE CONFIANÇA

Podia-se sempre contar com ele, falhava sempre.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Café Curto - Artistas 03/11/11

[fotografia Paula Romão]

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

AS 12 MELHORES PEQUENAS HISTÓRIAS DE TODOS OS TEMPOS

1



Só percebeu que a sala estava vazia quando terminou de falar após duas horas e não ouviu o som das palmas.






2


Sentia com frequência que tudo girava à sua volta. Os amigos diziam-lhe que consultasse o médico, mas ele respondia que era perfeitamente normal que assim fosse.






3


Achou toda a sua vida que os homens e mulheres eram todos iguais. Ele era, sem sombra de dúvida, o único que era realmente diferente.






4


Condenava com veemência a propriedade privada tal como ela existe. Queria tudo para si.






5


Diziam que nunca teve filhos porque era egoísta. Mas a verdade é outra. Ejaculou uma única vez e foi para guardar o esperma.






6


Desde pequeno que tinha um extraordinário poder. Sabia sempre onde era o centro do universo.






7


Ficava doido quando se riam dele e lhe recordavam que não era perfeito. Esse foi até um dos principais motivos porque se tornou palhaço.






8


Toda a sua vida nunca ganhou o que quer que fosse. Era tão bom que se recusava a competir.






9


Teve sempre muitas dificuldades na conjugação dos verbos. Nunca passou da primeira pessoa.






10


Todos achavam que ele era cego quando a verdade é que ele só se via a si mesmo.






11


Falava sempre de si e as pessoas às vezes aborreciam-se. Não sabiam que para ele era uma questão de vida ou de morte. Estava sempre tão cheio de si que se não se esvaziasse um pouco rebentaria.






12


Nunca deu nada, nem mesmo importância à vida. Morreu cedo.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

BLOGUES QUE ME SUGERIRAM

O HOMEM QUE SABIA DEMASIADO

A LIVREIRA ANARQUISTA

MEIA DÚZIA DE SILOGISMOS

1

As mulheres são autênticos mistérios;
os mistérios são inacessíveis;
logo, porque andam os homens atrás das mulheres?

2

Todos os homens nascem antes de morrer;
todos os homens morrem depois de nascer;
logo, todos os homens vivem antes e depois;

quanto às mulheres não sei.

3

Ele está apaixonado por ela.
Ela está apaixonada por ele.
Logo, logo, as coisas vão correr mal.

4

Os homens não ligam aos filhos.
As mulheres tratam os filhos como propriedade sua.
Os filhos são livres de atenderem as chamadas que quiserem.

5

Os homens batem nos filhos por tudo e por nada.
As mulheres fazem todas as vontades aos filhos.
Os homens e as mulheres aprendem com os pais.

6

As mulheres dizem que os homens são todos uns porcos.
Os homens dizem que as mulheres são todas umas cabras.
As mulheres e os homens gostam de metáforas com animais.


segunda-feira, 31 de outubro de 2011

10.ª SEMANA DOS ARTISTAS

[PROGRAMA COMPLETO DA 10.ª SEMANA]



NOVAS FORMAS
DE ESCREVER, LER E DAR A CONHECER A LITERATURA

1 de novembro


18:00
Contar para viver - Tixa Amaral
19.00
Apresentação de videos e pequena exibição ao vivo- Vj Zayle

22:30
LER ALTO – leituras poética de autor – leituras simples e concurso de leituras com júri.
Se escrevem venham ler. Se não, venham ouvir e dar a vossa opinião. Se quiserem podem só ler, se quiserem podem também concorrer e habilitar-se a prémios. O Ler Alto de novo nos Artistas.
Júri: Carlos Campaniço, escritor; Diogo Costa Leal, poeta; Tiago Nené, poeta
Apresentador/organizador: Pedro Afonso, poeta.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

[LITERATURA NA 10.ª SEMANA DOS ARTISTAS]

NOVAS FORMAS DE ESCREVER, LER E DAR A CONHECER A LITERATURA

Sociedade Recreativa Artística Farense – Os Artistas

Rua do Montepio, nº 10

8000-300 Faro



Dias 1 e 3 de Novembro de 2011



É preciso não só dar a mostrar as novas formas em que a literatura se produz e se revela, mas também discuti-las.

Este é o ponto de partida, e por isso se oferecem vários espaços de espectáculo e participação e discussão, privilegiando a participação do público.



PROGRAMA



Dia 1 – terça

18:00 Contar o conto – Sara Monteiro conta contos de autor

19.00 Apresentação de videos e pequena exibição ao vivo- Vj Zayle



22:30 LER ALTO – leituras poética de autor – leituras simples e concurso de leituras com júri.

Se escrevem venham ler. Se não, venham ouvir e dar a vossa opinião. Se quiserem podem só ler, se quiserem podem também concorrer e habilitar-se a prémios. O Ler Alto de novo nos Artistas.

Júri: Carlos Campaniço, escritor; Diogo Costa Leal, poeta; Tiago Nené, poeta

Apresentador/organizador: Pedro Afonso, poeta



Dia 3 – quinta

18:00 Visualização do vídeo Fragmentação, de Nuno Fernandes com Rogério Cão e videos de Mauro Amaral

Seguido de Debate – As Novas Formas da Literatura –

Paulo Pires, programador do Departamento Sociocultural do Município de Silves/ projecto Experiment’arte; Tiago Marcos, poeta e músico; Isa Mestre, escritora; Nuno Fernandes e Rogério Cão; Adriana Nogueira, escritora e professora universitária – moderador Luís Ene, escritor e radialista

Discutem-se os microcontos e outras micro formas, os novos média (Internet, videogames, DVD, etc.) e os novos suportes físicos para a escrita (ecrãs de telemóvel e de computador, Twitter), os novos poetas “performers”, os livros electrónicos e os audio-livros, os blog literários e o mais que vier a propósito, tentando apontar e problematizar as novas formas de a literatura se produzir e mostrar.



22:00 - Espectáculo SOM COM TOM – Uma visita poética e sonora pelo imaginário do ambiente de café.

leitura de textos de autor com música ao vivo – CAFÉ CURTO

escritor e leitor: Luis Ene; músicos: José Matos e Carlos Norton

(participação de actores do Grupo de Teatro Sincera)

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

PASSA A PALAVRA

REWIND


Se sentes
pressentes

que as palavras
já não te dizem

então cala-te
silencia-te

não digas mais
nada

ignora as palavras
que se dizem no silêncio

despe-te de tudo o que
está escrito em ti

há tempo demais
vezes demais

até nada mais
significar

só então
só então

no branco da folha
assim conseguida
do teu ser

começa de novo
a escrever

começa de novo
a escrever-te



sábado, 22 de outubro de 2011

POESIA EM FARO

Nasceu em Faro e está a recrutar autores.

Célula.Rubra

 

Revista Poética de Faro

SEM PALAVRAS

[para o Rogério, mas também para o Tiago e para o Diogo]

inspiro e expiro
num movimento contínuo
que me afasta
e me aproxima
de mim mesmo
e do mundo

o mundo só existe
a cada palavra que digo
a cada frase que se diz
encerrando-me
libertando-me
uma e outra vez

há nesta loucura
uma enorme tranquilidade
incomensurável
inapelável
peixe água lago
espanto primordial

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

10.ª SEMANA DOS ARTISTAS

VEJA O PROGRAMA AQUI.

LINGUAGEM (2)

- Um gin, se faz favor.
- Um gin como?
- Tónico.
- Um gin tónico?
- Sim, tónico.
-Sintónico?
- O mais possível.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

LINGUAGEM




Dentro de uma caixa está uma caixa que está dentro de outra caixa que está dentro de uma caixa que tem uma caixa dentro.

Dentro de que caixa ficaste?

terça-feira, 18 de outubro de 2011

CONFISSÃO




Não sou uma pessoa triste. A tristeza nunca encontrou em mim terreno fértil. No entanto, muitas pessoas dizem que me acham triste, sem dúvida porque não discuto as minhas tragédias ou a dos outros e não me rio de piadas alarves. A dificuldade que as pessoas sentem em compreender-me só é comparável à dificuldade que eu sinto em compreender as pessoas.

Diz-se que os portugueses são pessoas tristes, e eu concordo, mas acho que não é tanto por serem especialmente sensíveis à tristeza ou não conseguirem alegrar-se, mas muito mais por gostarem de falar de coisas tristes e tirarem prazer da desgraça dos outros e da sua própria.

Seja como for não sou uma pessoa triste, o que não quer dizer que não conheça a infelicidade, mas a tristeza nunca encontrou em mim espaço para ficar: assim como entrava, assim saía. Não tive uma infância muito alegre, mas lembro-me de momentos em que fui feliz; sofri desgostos de amor, mas também amei e fui amado, ainda que por breves instantes; a maior parte do tempo não fui quem quis ser mas nunca pensei seriamente em matar-me.

Nunca chorei verdadeiramente a não ser de raiva, mas isso entristecia-me um pouco e esforcei-me por matar em mim essa raiva. A tristeza traz a infelicidade e disso estou eu salvo, porque sempre fui assim, não completamente imune à tristeza, mas quase impermeável aos seu efeitos, porque uma coisa é sentir tristeza e outra é ser dominado por essa tristeza. Há pessoas que morrem de tristeza, isso nunca me acontecerá. Assim como nunca perderei a cabeça de alegria.

Um excelente poema, disse-me um poeta meu amigo, e ele sabia do que falava, ri e chora ao mesmo tempo, e eu percebo bem o que ele quer dizer. A tristeza e a alegria são indissociáveis.

Não sou uma pessoa triste, a tristeza não se agarra a mim; assim como não sou uma pessoa alegre, quase nunca rio e raramente me entusiasmo até às lágrimas com o que quer que seja.

Mas não ser alegre não me entristece, da mesma forma que não ser triste não me alegra.

Não sou muito diferente das outras pessoas.

Conheço a infelicidade. Conheço a felicidade.

domingo, 16 de outubro de 2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Talvez

Talvez não sejamos nós a escolher os livros que lemos, os sonhos que sonhamos, os amores que vivemos. Talvez sejam eles que nos escolhem.

Afinal de contas não somos nós que escolhemos a vida, é ela que nos escolhe, tal como a morteMas podemos sempre escolher entre a vida e a morte. Só podemos escolher a morte.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

UMA MÁQUINA DE ESCREVER AZUL

CURSO DE ESCRITA CRIATIVA ONLINE GRATUITO - AQUI

visto aqui

domingo, 9 de outubro de 2011

Filme negro





O detective particular corria sempre perigo de morte: todas as mulheres que encontrava eram mulheres fatais.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

POEMA ESCRITO NA ESPLANADA DO MAKTOSTAS, DE UMA VEZ SÓ EM CADERNO DE FOLHA LISA E MAIS TARDE LIGEIRAMENTE RETOCADO


Um homem profusamente tatuado (com
um pequeno chapéu preto na cabeça
rapada, mas isso não vem ao caso)
fala com uma mulher que o olha com
indiscutível amor

Admiro-me com a extensão das
tatuagens do homem (visível devido
ao seu reduzido vestuário)
mas o que mais me espanta
é o facto

de a mulher (que mostra tanta pele quanto
ele) não ter uma única tatuagem à vista
e fico a pensar se verdadeiramente
se completam se verdadeira
mente se amam.

poema ditado para o gravador durante um passeio junto à ria de Faro - décima versão

não temas a morte
não a desafies

podes espernear
podes entregar-te

faças o que fizeres
a vida é sempre
transitória

a escolha é tua
faz o que quiseres

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

SIMPLICIDADE II

Escrevo sempre a direito
evitando com cuidado
as metáforas.
Para quê complicar?
as palavras já são
metáforas.

Não escrevo para dizer
o mundo
escrevo porque não
o consigo
dizer

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

SIMPLICIDADE

Nada é simples quando se trata de palavras. 
Quando se trata de palavras até a palavra simples é complicada.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

O TAMANHO DAS COISAS

Acho que o quintal onde a gente brincou é maior do que a cidade. A gente só descobre isso depois de grande. A gente descobre que o tamanho das coisas há que ser medido pela intimidade que temos com as coisas. Há de ser como acontece com o amor. Assim, as pedrinhas do nosso quintal são sempre maiores do que as outras pedras do mundo. Justo pelo motivo da intimidade. (...) Se a gente cavar um buraco ao pé da goiabeira do quintal, lá estará um guri ensaiando subir na goiabeira. Se a gente cavar um buraco ao pé do galinheiro, lá estará um guri tentando agarrar no rabo de uma lagartixa. Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos (...).

(Manoel de Barros. Memórias inventadas, a Infância)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

PASSO A PUBLICIDADE

DA NATUREZA HUMANA



Gostava tanto de cães que tinha dez, tratados como autênticos príncipes. No entanto, como detestava ouvi-los ladrar, furou-lhe os ouvidos e cortou-lhes a língua.
E depois?
Depois os vizinhos, estranhando o silêncio, denunciaram-no ou, se preferirem, deram à lingua, e o final foi tão óbvio que nem o conto.
É assim a natureza humana.

domingo, 2 de outubro de 2011

exercício de ironia

A mesma fonte, citada pela edição online da BBC, concretizou que as 700 pessoas faziam parte de um grupo maior que estava a atravessar a ponte a partir de Manhattan, depois de terem estado acampados à porta da bolsa de Wall Street durante duas semanas, como forma de protesto contra a crise económica e financeira e a especulação dos mercados.

A polícia assegurou, contudo, que só deteve elementos que estavam a provocar um clima desordeiro. Os manifestantes desfilaram desde o Zucotti Park à ponte de Brooklyn e a polícia deteve centenas de pessoas quando obstruíram o trânsito num dos canais de acesso à ponte.

Estávamos apenas aqui parados, dizendo o que achamos, a tentar caminhar pela ponte e os polícias apareceram de uma forma tumultuosa, empenhando os seus bastões sem motivo nenhum”, contou uma testemunha no local, citada pela BBC. “Começaram a escolher pessoas na linha da frente. Qualquer um nessa posição, preto, castanho, era atirado imediatamente para o chão. Quem tivesse a cara coberta com uma fita ou mesmo quem mostrasse sinais de paz era arrastado”, acrescentou.

Além de classificarem os banqueiros como “nazis”, e de defenderem que
as pessoas estão antes do dinheiro, os manifestantes estão também contra a polícia que dizem protege os bilionários e Wall Street. 

A detenção ocorre numa altura em que várias pessoas continuam acampadas em Wall Street e quando os protestos já se estendem a outras zonas do país. Um grupo de activistas concentrou-se em Washington, a capital federal dos Estados Unidos, adiantou a AFP e há também pessoas em Los Angeles.

Na sexta-feira a polícia já tinha detido 20 pessoas durante uma manifestação em Massachusetts, onde participaram 3000 pessoas, que decidiram ocupar alguns escritórios em Boston pertencentes ao Bank of America. Em São Francisco os protestos decorreram frente às instalações do Chase Bank, mas só houve seis detenções
.

Nesse mesmo dia cerca de duas mil pessoas protestaram em Nova Iorque contra os efeitos da crise económica, desfilando desde a zona de Wall Street até ao quartel-general da polícia da cidade.

confrontar: AQUI

LER E ESCREVER

conheço duas formas
perfeitas e seguras
de sair de mim
dentro de mim:
ler-me e
escrever-me.

MICRO FORMAS LITERÁRIAS

A sugestão de José Eduardo Lopes espreito o twitter de Jose Luis Zarate e confirmo que o desejo de finitude na escrita só é comparável com o seu desejo gémeo de infinitude. Como me acontece muitas vezes quando quero pensar alguma coisa, escrevo uma pequena história.

Concentrou todo o seu saber e sentir num pequeno conto que queria supremo e definitivo. Depois escreveu-o de novo uma e outra vez, vezes sem conta, tentando continuamente aperfeiçoá-lo. Quando quase desistia percebeu que já tinha escrito mais de mil e uma páginas e continuou.

EXCELENTE o blog Micro-Leituras.

sábado, 1 de outubro de 2011

mais Lydia Davis

http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-47/ficcao/contos-escolhidos

NUM INSTANTE


Talvez a vida tenha
um propósito,
talvez Deus, quem sabe,
exista.
Mas, seja como for,
nunca se vive em vão,
porque a vida é
e existes
e isso é tudo o
que é preciso,
mesmo que comece
e acabe
num instante.

"A vida de um homem é um instante onde o mundo em vão se ilumina."

geopolítica doméstica

em minha casa reina o equilíbrio:
a gata desarruma e desarruma
eu arrumo e arrumo de novo
a minha filha mantém-se neutra

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

METER ÁGUA

Não conheço quem meta água como o Luis Alberto.

os "novos" caminhos da ficção passam-nos ao lado

Lydia Davis

GRANDE BUM

escutem o GRANDE BUM

a construção do poema

o poema
deve atravessar a folha como

um golpe de vento
um voo de ave
um feliz passo de dança

não tentes escrever
o poema

deixa que ele se escreva
e reescreva

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

ARRITMIA


Dizes-me que o que escrevo não é poesia:
não tem ritmo não tem rima não tem alegria.
respondo-te assim: então não é poesia? A
puta da tua tia! Que eu sinto-a em mim e
sei muito bem o que é e o que não é.

[…]

Estás a ouvir?
As palavras dizem sempre mais do
que dizem quando ecoam em nós.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

WORK IN PROGRESS


queria muito viver
por isso se matou

[…]

É muito pouco?
É preciso dizer mais?
Mas são sete palavras!
Dizer mais é não só inútil
mas contra-indicado.
Não tenho razão?
Pronto, está bem,
eu continuo.

[…]

Ninguém se mata
porque quer morrer.
As pessoas matam-se
porque querem viver.

[…]

Está melhor assim?

terça-feira, 27 de setembro de 2011

intrigante


Visualizações de páginas por país
Portugal
153
Brasil
45
Estados Unidos
29
Kuwait
12
Alemanha
6
Reino Unido
3
Territórios palestinos
2
Rússia
2
Suécia
2
Estônia
1

há vida depois da blogosfera?

Estarão os blogues portugueses moribundos ou ainda há esperança?

QUERER


Desconheço
as razões porque
quero o que
quero mas
isso nunca me
impediu de
crer.

O que eu quero
é apenas a medida
do meu fracasso.

Queria que este
poema acabasse
[aqui]
mas sei que
continuará
em ti.