domingo, 31 de maio de 2009



sábado, 30 de maio de 2009

há muito tempo que



Dormir fora de casa:
não é solução.

Invocar a estética:
uma desilusão.

Há quanto tempo sinto
que não sou?

Onde estava quando o silêncio
me faltou?

Escrevo a muito custo:
sobram-me sempre

as palavras.

quarta-feira, 27 de maio de 2009



Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.

É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és não vem à flor
Das caras e dos dias.

Tu és melhor -- muito melhor!--
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.

Mário Cesariny

terça-feira, 26 de maio de 2009

próximos à conversa

na rua do imaginário


dia 29 de Maio

Fernando Carvalho

Nasceu na Guiné-Bissau, onde cedo se apaixonou pela música. Vive desde 1980 em Portugal, onde se formou em Economia e seguiu a carreira docente. Como músico e intérprete tem uma discografia de 12 obras, tendo o seu primeiro trabalho sido editado em Portugal em 1986. Século XXI é o seu álbum mais recente, e conta, entre outras, com a participação da sua filha Nanda Carvalho (voz e teclas). Nele, Fernando Carvalho, abre os ritmos guineenses aos ritmos de outros horizontes, nomeadamente lusófonos.


dia 5 de Junho

Vera Gonçalves

Nasce em Lisboa, em 1955. Filha de mãe pintora e pai arquitecto cresce num ambiente artístico. Após a frequência da ESBAL e do Arco, vai trabalhar para lagos, sob orientação do escultor João Cutileiro. Em 1979 fixa-se definitivamente no concelho de Lagos, onde ainda hoje vive. Em 1994 abre a loja/galeria Terra à vista, na Marina de Lagos. É sua a obra conhecida em Lagos pela “escultura das cadeiras”, monumento celebrativo da revolução de Abril.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

como escrever pequenos textos

Princípios


Podíamos saber um pouco mais
da morte. Mas não seria isso que nos faria
ter vontade de morrer mais
depressa.

Podíamos saber um pouco mais
da vida. Talvez não precisássemos de viver
tanto, quando só o que é preciso é saber
que temos de viver.

Podíamos saber um pouco mais
do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar
de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou
amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada
sabemos do amor.



Nuno Júdice

domingo, 24 de maio de 2009

próximos à conversa

na rua do imaginário

Fernando Carvalho

Vera Gonçalves

a arte do romance em 3 capítulos

I



II



III

Passo o dia em estado de transe, sentado à secretária, olhando fixamente para o papel em branco, à espera que me ocorram as palavras. Assim se passa no dia seguinte. Ao terceiro dia desisto, meto o papel na gaveta, e começo os preparativos da partida. Parece lógico que um homem que não sabe o que fazer com uma mulher na cama também não saiba o que escrever.


J.M. Coetzee, À Espera dos Bárbaros

silva nogueira

Amália



aqui

sábado, 23 de maio de 2009

não me peçam explicações



Julio Cortazar

eco

pois é, também não resisti!


aqui, por aqui.

sexta-feira, 22 de maio de 2009



Hoje, sexta-feira, na Rua do Imaginário (veja a barra) conversa-se com Bruno Rodrigues e... mais. Venha à Rua.

lido...

com extremo agrado!



Cristovão Tezza, O Filho Eterno

recebido na rua do imaginário



aqui

quinta-feira, 21 de maio de 2009

lúcido


caminhos
estreitos

muros
altos

olhos
no chão

a vida

passa-nos
ao lado

segunda-feira, 18 de maio de 2009

A RIR AQUI. UM ABRAÇO, MANUEL



lunes 18 de mayo de 2009

Como no podía ser menos, ya tenemos ganador del concurso LA SED ES COSA NUESTRA. Tras el recuento de votos el ganador ha sido lapareja de relatos número 9, que tras abrir la correspondiente plica resulta ser obra de:
LUIS NOGUEIRA (Faro, Portugal)

Para él quede, pues, la mejor hamaca y la más maravillosa puesta de sol del mercado. Así mismo, la redacción ha estimado oportuno conceder a la caleta norte de la isla el nombre de Nogueira.

Muchas gracías, don Luis por tan espléndidos relatos. Tembién quiero agradecer al resto de los participantes su participación. Muchas gracias a todos.

mm


jueves 7 de mayo de 2009
OS DEJO CON LAS 13 PAREJITAS DE RELATOS QUE SE HAN PRESENTADO AL CONCURSO DE MICROFICCIONES DE LA ISLA DE LA SED.
PODÉIS VOTAR HASTA EL PRÓXIMO DÍA 15 DE MAYO.

A la pareja que más os guste le otorgáis 4 puntos, a la segunda... 2 ya la tercera 1.
que no gane el peor.
POR EJEMPLO :

4 PUNTOS AL 6
2 PUNTOS AL 3
1 PUNTO AL 10

1
EL INSTRUCTOR DE MAMBO

Ya lo dijeron aquellos, los del Chambo. Que eso, eso que tanto repetían no debía ser bueno para nadie. Pero, claro, una cosa es lo que digan los de siempre y otra, bien distinta, es hacerse de una vez con la razones. Un dos tres, un dos tres, un dos tres…maaaamboooo.

COMPRO VARICES

Hacía tiempo que no pasaba por aquí. Lo cierto es que, aunque todos le echábamos de menos, a ninguno nos había dado por preguntar por él. Es lo que suele ocurrir, ¿no dicen eso los viejos? Y, precisamente, esa mañana de agosto reapareció con su cártel en la plaza: no más islotes sin zacho; yo, compro varices.


2

COMPRO VARICES

Ya me parecía sospechosa tanta cola en todos lados,y para colmo,habian desaparecido todos los asientos habituales en las salas de espera...Se había descubierto un componente milagroso en las varices humanas, con el que la piel queda como el culito de un bebé.!todo sea por la eterna juventud!

EL INSTRUCTOR DE MAMBO

Y yo que siempre me había considerado sosa y sin sentido del ritmo.!ja.ja!!Qué verdad es que no hay mujer sin ritmo,si no hombre torpón!Con este morenazo, es sentir sus manos en las caderas y !MAMBO


3
COMPRO VARICES

En la esquina de Costanilla con Santo Domingo, junto al Zeppelin, se puede leer el cartel del abuelo Cosme, colgado en su balcón lleno de gitanillas:"Compro varices, vendo chaise-lounges."

EL INSTRUCTOR DE MAMBO

Nadie supo explicar como Lucio, tras su extraña desaparición de casi tres años había conseguido que la hija menor del farmacéutico accediera a casarse con él. Pero lo que más nos extrañó fue el hecho de que tras el banquete nupcial bailaran un cha-cha-cha: todos sabíamos que Lucio era un vulgar instructor de mambo...
30 de marzo de 2009 15:17

4
COMPRO VARICES

Colocó el cartel:"Compro varices". Tejía con las azules venas un cordón umbilical para volver al seno de su madre.El feliz día de la unión, su madre murió intentando atarlo abriendo su vientre.

EL INSTRUCTOR DE MAMBO

La mano abierta se agarraba a su culo, su enorme culo. La cadera junto a su bragueta. La cara se raspaba con la barba mal rasurada.Al son de la música sus pechos respiran: "Hoy devoro al instructor de mambo"

5
COMPRO VARICES

60 años de oscuro régimen policial, ni dioses, ni votos, ni música que alegran las vacías calles llenas de miedo y silencio. Frente a mi casa había una extraña tienda que la policía vigilaba, en alguna ocasión me pareció ver ocultos "rosarios"en las manos de sus clientes, mas puedo asegurar, que la policía (aunque no es tonta) al mirar la tienda, nunca vería, ni por, ni com, ni Escrivá.
Sostiene P.

COMPRO VARICES

Papi, dijo la abuela, la mejor bailarina que vio la isla, con ese culo tan respingón jamás aprenderás a bailar mango, así que me puse un cartel a la espalda a ver si con ellas adquiría la consistencia necesaria para bailar. Qué remedio.

6
EL INSTRUCTOR DE MAMBO

Desde que compré mis varices no hay quien pueda conmigo. Ahora trabajo de instructor de mambo.



8
COMPRO VARICES

Compro varices. Me han dicho que no hay mejor cebo para pescar el dolor. Ese animal horrible que se me escapó el día del accidente. Desde aquél día lo espero. Y vigilo sin moverme, parapetado en el rincón más oscuro de mi silla de ruedas.

EL INSTRUCTOR DE MAMBO

Aún le amaba. Más de treinta años juntos y aún le amaba. Pero a mi edad una no busca más que el suave balanceo de un bolero.



9
O INSTRUTOR DE MAMBO
Tito só tinha uma perna, mas era o melhor instrutor de mambo de Cuba. Uma questão de equilíbrio, diziam os mais entendidos. E perseverança.


COMPRO VARIZES
Compro varizes, dizia o anúncio. Fui lá e vendi-as. Todas. Por um bom preço. O pior foi que tive de deixar lá as pernas. Agora custa-me a andar.

10
COMPRO VARICES:

Los problemas. Han transcurrido por mis neuronas infinidad de acepciones de dicha molécula y ahora, al no oír ruido, pensé que todo estaba solucionado. Pero no. Mi mera existencia consiste básicamente en tenerlos dentro, por ello: Compro varices.

EL INSTRUCTOR DE MAMBO:

No sé qué es lo que me llevó a él. Tal vez que nunca le he dicho que no a un amigo. Primero me metió la lengua en la boca y ahora quiere más. Quiere la retaguardia y yo no quiero hacer daño a nadie. Por eso estoy tosiendo todo el rato, mientras él está ahí liado.


11
SIN TÍTULO ( SE COMPRENDE QUE ES AMBOS TÍTULOS)

Buenos días, señor juez, me llamo Elmer Homero, primo de Enrique Cerse, e instructor de mambo y ganador del premio Hortera otorgado por la universidad de Anglia en Inglaterra. Rechazo todas las acusaciones que mi mujer, Eva Cuación de Homero, tuvo amorillos con gran parte del batallón de la división Relámpago. Confieso que fue mi tía Lola y no mi Eva quien cometió el ultraje en La Coruña por tres años consecutivos

12
COMPRO VARICES

¿Instructor de mambo?. No, yo me dedico en exclusiva a las varices.

INSTRUCTOR DE MAMBO
Señora, yo no sé nada de varices. Yo venía por lo del anuncio. Sí, por lo instructor de mambo.

13
EL INSTRUCTOR DE MAMBO.
Pobre, torero de poca monta y republicano. Con las cosas de la guerra fue tanta el hambre que intentó comer de todo. Pasados los años contaba que con lo único que no pudo fue con la hierba. Ahora lo cuento y me dicen que no sabía de botánica.

COMPRO VARICES
Me enamoré de un alemán de Ataun, mítico enclave de Euskal Herria. Escucha a Bach y es buen cocinero. A mí me encantan Hegel ,Goethe y la Bauhaus. Pero mi madre dice que ella no come salchichas desde que un día vio las almorranas de su hermana.

domingo, 17 de maio de 2009

complacente



quando julgamos
estar a subir

é então que estamos
já a cair

a vida é um jogo
de sobe e desce

isso é que me fode!




O PRAZER É SILENCIOSO

Ao contrário da ideia assente
A palavra não é criadora de um mundo;
O homem fala como o cão ladra
Para exprimir raiva, ou medo.

O prazer é silencioso,
Tal como o é o estado de felicidade.

Michel Houellebecq, in " A possibilidade de uma Ilha"

mais poemas aqui

entrevista aqui


O âmago das coisas. Repita várias vezes essa expressão, ele se diz, em voz alta, e veja se mantém algum sentido. O âmago das coisas. O âmago das coisas.


Às vezes, tem a viva sensação de que é escrito pelo que escreve, como se as suas palavras soubessem mais que ele próprio. ( Não sabemos tudo ao mesmo tempo; avançamos soterrando camadas de conhecimentos, ele divaga.)


Cristovão Tezza, O Filho Eterno, págs.57 e 109

de parabéns :(



12 e-books; 15 números; 15 entrevistas; 208 autores; milhares de micronarrativas... e mais.

MINGUANTE

sábado, 16 de maio de 2009

irrelevante



não consigo entender-te
não consigo amar-te

se te entendesse poderia
amar-te

se te amasse não precisaria
entender-te

palavras apenas palavras
nada disto é verdade

a não ser para mim
no momento em
que escrevo

sexta-feira, 15 de maio de 2009

quinta-feira, 14 de maio de 2009

a ler...

... O Filho Eterno, de Cristovão Tezza, e a gostar, bastante.

eco




Olho uma flor, recorda-me de ti.
Apetece-me colhê-la, mas não o faço.
Quando quero estar contigo,
visito-te no meu jardim.


Luís Ene




aqui

não me perguntem porquê



Perguntavas-me o que faz de alguém um escritor. Bastará ser publicado? É preciso ser reconhecido pela crítica? Vender muitos livros?
Eu dizia-te que não era nada disso, que era algo pessoal, íntimo, mas a verdade é que eu ainda não tinha respondido a essa pergunta.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Leiam este rapaz: aqui. Vale mesmo a pena :)

terça-feira, 12 de maio de 2009

7 palavras

No próximo dia 16, a partir das 15 horas, no espaço da semana académica, na tenda da RUA, orientarei uma sessão de exercícios de escrita breve.

O ponto de partida serão sete palavras. O que se pode fazer com sete palavras?

--->

HISTÓRIAS VICIADAS

I

A FORÇA DO HÁBITO
Fumava. Bebia. Fornicava. Sempre pela mesma ordem.

O MILAGRE
Perdeu a fé. Depois nunca mais pecou.

O MONGE
Deixou o hábito e entregou-se ao vício.

O VICIADO
Cortaram-lhe as mãos. Continuou com os pés.

O VIRA-CASACAS
Morreu e passou a acreditar em Deus.

TEMPOS MODERNOS
Para poupar tempo, fornicava sempre de pé.

A FEMINISTA DETERMINADA
Amava-o mas não tinha escolhido amá-lo. Deixou-o.

II

INJUSTIÇA
Matou: condenaram-no numa multa. Não pagou: prenderam-no.

ELOGIO DA BREVIDADE
Escreveu sete palavras num dia. Magníficas. Decisivas.

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO
Quase nunca falava, mas adorava sexo oral.

O MESTRE XADREZISTA
Só conhecia duas palavras, xeque e mate.

OPORTUNIDADE PERDIDA
Começou e acabou ainda antes de começar.

A MESMA HISTÓRIA DE SEMPRE
O quê, quem, quando, onde e como.

SÍSIFO
Abriu o livro. Estava novamente em branco.

Luís Ene

segunda-feira, 11 de maio de 2009

domingo, 10 de maio de 2009

parafraseando

ACREDITO NA FELICIDADE, MAS NUMA FELICIDADE INDISSOCIÁVEL DO SOFRIMENTO.

uma resposta atrasada



SER ESCRITOR NÃO É UMA PROFISSÃO, É UMA IDENTIDADE.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

deslumbrado






que bom nada fazer e
no entanto
tanto fazer:
ler, respirar,
sentir o gosto do café,
escutar as conversas,
seguir os homens e
as mulheres que passeiam,
vaguear na folha
antes branca da
imaginação.

A PRISÃO DO ÉTICO




AQUI


quarta-feira, 6 de maio de 2009

exercícios de escrita

No próximo dia 16, a partir das 15 horas, no espaço da semana académica, na tenda da RUA, orientarei uma sessão de exercícios de escrita breve.

Para informações contactem a Rádio Universitário do Algarve - ver site na barra à direita.

O poema abaixo era já um exercício :)

Espero por vocês.

INFORMAÇÃO AQUI

terça-feira, 5 de maio de 2009

seis tias

A minha tia Graça atirou-se de um sexto andar abaixo. Morreu.
Adília Lopes


A minha tia Zé atirou-se de um 6.º andar abaixo. Zás!
A minha tia Felicidade atirou-se também. Nem pestanejou.
A minha tia Clara idem aspas. Foi direitinha para o inferno.
A minha tia Aurora irritava-me de morte. Atirei-a eu.
Já a minha tia Céu morou sempre num rés-do-chão.
Tinha um medo doentio das alturas.

Luís Ene

segunda-feira, 4 de maio de 2009



Era um critico implacável: nunca conseguiu ler um livro até ao fim.

domingo, 3 de maio de 2009

crioula - fernando carvalho - século XXI








A rua do imaginário cala-se durante a semana académica... mas voltará, e esta ida ao crioula ainda se vai fazer ouvir...

>--->

lydia lunch & henry rollins



lydia e henry

laurie anderson



>--->

aimee mann



mais

sábado, 2 de maio de 2009

incompleto

Não és fácil, dizes.
És uma pessoa difícil, insistes.
E eu calo-me ainda.

De nada me adiantaria dizer-te:
todo o labirinto é fácil
quando se conhece o caminho.

De nada me adiantaria insistir:
o amor é tanto mais difícil
quanto mais se tenta […]
ESCREVE-SE ESCREVENDO.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

desconexo

sentado ao balcão de um bar
como se estivesse à espera
bebo uma cerveja enlutada
e tento rir de mim mesmo
trocar esta sensação
por palavras
riscos hesitantes
no branco da noite
como é fácil nada dizer