sábado, 12 de julho de 2014

2/64


2

 

Tu não és muito, és quase nada,

pouco mais do que esse estranho sopro

que te anima, alento constante e

determinado, ténue e poderoso,

que faz com que esse quase nada que és

possa ser muito.




Sem comentários:

Enviar um comentário