segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

MOTO CONTÍNUO



avançando

e recuando

sobre si mesmo



no silêncio

tumultuoso

do ser



o poema

tal como o homem

faz-se a si mesmo



incerta certeza

que se constrói

destruindo-se



Sem comentários:

Enviar um comentário