sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A QUEM INTERESSAR!

Criei um depósito digital para as minhas pequenas histórias, notas e apontamentos. Podem encontrá-lo aqui. É algo que sempre fez todo o sentido. E mais não digo.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

DUAS MORAIS E UMA HISTÓRIA RELIGIOSA

[para o amigo Luís Alberto, que me atribuiu a medalha da moralidade]



Uma moral


A moral e a religião só são necessárias a quem nelas acredita.



Outra moral


Aquele que não tem religião nem moral tem muito mais tempo livre.



Uma história


Primeiro colocaram-no vivo sobre uma grelha em brasa e assaram-no lentamente até à morte. E não foi por teimosia culinária ou porque ele não tivesse moral e religião, que tinha, só que não eram as deles.

Depois lançaram o corpo aos cães, que meteram o rabo entre as pernas e uivaram sem parar até que o corpo foi finalmente retirado. Os cães, diz-se, não têm moral nem religião, mas nem por isso deixam de ser o melhor amigo do homem.

domingo, 7 de agosto de 2011

DUAS HISTÓRIAS POLICIAIS E UMA MORAL


Uma história


Era um detective com uma perícia proverbial.

Quando chegou ao local do crime sentou-se, imóvel e silencioso, com o revólver a repousar na mão direita.

Ficou ali, dia e noite, sem arredar pé, até que assassino não aguentou mais e voltou. Então matou-o, com um só tiro.


Outra história


Era um detective extraordinário.

Olhou a cena do crime com displicência e não teve a menor dúvida sobre a identidade do assassino, assim como soube com toda a certeza que o assassino não ia escapar.

Sentou-se, sacou do revólver e matou-se de uma só vez.


Uma moral


Matar é como rir, mata melhor quem mata por último.

DUAS HISTÓRIAS DE FANTASMAS E UMA MORAL


Uma história


Quando ela morreu, ele não chorou. Sentou-se e ficou à espera, completamente imóvel, com um ténue esboço de sorriso no rosto. Dois dias depois, quando ela voltou, ele ainda estava ali, e ela ficou assombrada com o sorriso que finalmente se inscreveu no seu rosto.


Outra história


Quando ela morreu, ele vestiu-se de negro dos pés à cabeça e chorou compulsivamente. Quando ela voltou, encontrou-o assim, a imagem própria do desespero. Ficou tão assombrada que se foi embora de vez. Foi então que um esboço de sorriso se desenhou hesitante no rosto dele.


Uma moral


A morte é um pouco como o ponto que usamos de diversas formas quando escrevemos: interroga, exclama, prolonga e termina.

sábado, 6 de agosto de 2011

DUAS HISTÓRIAS DE AMOR E UMA MORAL

Uma história de amor


Amavam-se e esse amor era inteiro, até que ela deixou de amá-lo e o amor se fechou todo nele, enlouquecido de vez.

Foi esse amor que afinal a apunhalou vezes sem conta, retalhando-lhe o peito sem esforço.

Pelo menos foi o que ele confessou, chorando sem parar, mas o policía olhou-o com firmeza e disse-lhe com um enorme sorriso triste a dançar-lhe no rosto:

Se querias conhecer a alegria do amor tinhas de estar preparado também para a sua dor.

E saiu sem mais da sala de interrogatórios para ir comprar flores para uma mulher

que há anos amava à distância.



Outra história de amor


Amava-a há anos, sempre à distância, e esse amor era o céu onde descansava todo o seu ser.

Um dia, nunca percebeu porquê, raptou-a e fechou-a na cave da sua casa.

A partir daí continuou a amá-la como até então, mas a tristeza dela, todos os dias maior, apodreceu pouco a pouco o seu amor, até que ele não aguentou mais e a matou, tentando que o amor sobrevivesse.

Verdade seja dita, o seu amor não sobreviveu.

Nem ele, que se matou poucos dias depois.

No dia do enterro um casal de apaixonados entrou no cemitério para se amarem sem serem observados.



Uma moral


O amor, como uma história, nunca deve verdadeiramente acabar ou, quando afinal termina, acaba quase sempre mal.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Baú





Gosto desta fotografia do baú de Fernando Pessoa e só por isso a uso, não porque queira insinuar algumas semelhanças.


Vinha a ideia de baú a propósito das obras que este blog, inactivo (ou inativo), abriga nas suas páginas e que pode ler através da barra à direita, umas mais acabadas e conseguidas do que outras, mas todas elas marcos de um percurso (de experimentação) que tenho vindo a levar a cabo.


Não está tudo aí, mas julgo que está o suficiente para ficarem com uma ideia. Como juntei uma nova obra, deixo aqui notícia do conjunto.