terça-feira, 30 de novembro de 2010

( Micro) ensaio


O que é a microficção?

I


Existem diferenças entre o texto sempre citado do escritor guatemalteco Augusto Monterroso (Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá.) e um conto qualquer, por mais breve que seja?

É claro que é breve, muito breve, são apenas sete palavras. Mas não é apenas isso.

Há toda uma indefinição que um conto talvez não admitisse, mesmo que o que se diga seja apenas a ponta do icebergue.

E poder-se-á dizer que tem princípio meio e fim?

Talvez se possa dizer que é microficção um qualquer texto de ficção para o qual se levante afinal a questão, mas isto ainda é um conto?

As microficções não são, ou não são apenas, contos muito, muito pequenos.

A brevidade não é a única, nem talvez a mais importante, das suas características.

Na confluência de diversos géneros e diversas influências, as microficções exigem um espaço próprio no território mais vasto da ficção.



II


É um aforismo?

É um conto muito pequeno?

É um haikai?

Não! É uma microficção!!



III


O que é a microficção?

A ficção no seu mínimo, a ficção no seu máximo.



2 comentários:

  1. Eu apostaria numa extensão deste (mirco)ensaio. Gosto que fales assim das coisas!
    ...mas queria ler mais.

    Jesus

    ResponderEliminar
  2. Estou a pensar escrever um pouco mais.
    Ando a recolher material para um ensaio com o título provisório de A microficção em Portugal, um género bastardo.
    Mas seja como for, eu escrevo microficções e elas explicam-se por si mesmas :)

    ResponderEliminar