segunda-feira, 16 de junho de 2014

05



 

Está tudo no olhar. Até os cegos

olham. Está tudo no ver. Até

nas trevas nos conseguimos ver.

No princípio é sempre o olhar, nada

mais do que o olhar, o ver vem depois,

vem sempre depois, depois do olhar e

antes do fazer, ou não fazer. O

poema pode ser cego mas tem

os teus olhos. O poema pode

ser obscuro mas nunca é invisível.

Está tudo no olhar, não estás a ver?

Então olha!

Sem comentários:

Enviar um comentário