quarta-feira, 13 de julho de 2011

poema a um louco amor




queimámos o amor
uma e outra vez
até só restar
cinza

agora nunca mais
poderá ser
folha em
branco

todo o verso tem
em si o seu
reverso

2 comentários: