segunda-feira, 18 de abril de 2011

O ADEUS

Um dos meus objectivos ao criar/manter blogs - aquele que identifico como principal - sempre foi partilhar o que escrevo. O que sentia - e aindo sinto - é que desta forma aquilo que assim publico sempre pode - potencialmente - chegar a alguém. Neste aspecto o blogue parece-me um livro aberto, ainda mais aberto que qualquer livro, pois sempre aberto ao leitor e à leitura. O número de leitores regulares deste blog - poucos ou muito poucos - parece-me nesta medida irrelevante. Mas continuar a publicar neste blog também me parece fora de questão. Quem quiser ler-me tem aqui muito para ler, desde logo as páginas [livros mais ou menos completos] a que é possível aceder no início da coluna da direita. Dito isto, adeus.

11 comentários:

  1. A palavra em que deposito esperança e itálico é o segundo "neste"... :-) Votos, pois, de que o adeus se transmute em "até à vista" e novo blogue entre em gestação num futuro próximo!

    ResponderEliminar
  2. Luís,

    me inclua neste "poucos ou muito poucos".

    Torço para que em breve surja outro espaço onde possamos continua a ler sua microficção.

    Um forte abraço.
    W. Gorj

    ResponderEliminar
  3. Este homem desaparece do DRACULEA e agora desaparece do blog... que raio?... que andarás a mancumunar, oh Luís?!

    ResponderEliminar
  4. tenho pena que tenha decidido deixar de escrever aqui.
    gostava de cá passar.

    até breve, espero.

    ResponderEliminar
  5. Como nunca confiei no futuro,
    "Até breve, aqui no blog!"
    (somos pacientes...)
    Abraço

    ResponderEliminar