domingo, 21 de novembro de 2010

Faro é um deserto

Seja no que for, só se recebe na medida do que se dá.
Honoré de Balzac

Se fores o primeiro a dar ficas em vantagem. É sempre melhor dar do que levar.
Anónimo

Ontem disse, no ar, que Faro é um deserto.
Claro que Faro não é um deserto, o que é óbvio, nem eu acho que Faro seja um deserto. Apenas me sinto cada vez mais em Faro como no deserto. Só, cansado, sem saber onde me dirigir. E até existem oásis.
Claro que falo de um ponto de vista metafórico e num contexto que se pode dizer cultural. Era afinal nesse contexto que falei ontem em Faro como um deserto, quando se avaliava em directo, na rádio RUA, a Edição 0 de Radiação.
Ligando essa afirmação à investigação que aqui se fez sobre o estado da literatura em Faro, talvez o mais importante mesmo sejam as pessoas. Ou a falta delas. Ou a falta de vontade em estar aberto e partilhar.
Ouço muito dizer dos algarvios que são fechados e pouco dados a partilhar. Ainda ontem se disse isso mesmo, na emissão referida. Não nasci no Algarve e muitos dos que têm essa atitude não são algarvios, mas começo também eu a sentir-me assim. Quando me diziam que os algarvios comem na gaveta eu explicava que no Algarve se diz que são os de Tavira que comem na gaveta. Agora já não digo nada.
Talvez seja a falta de recursos e o medo de que não sobre para nós que leva a essa atitude, mas cada vez a vejo mais.
Parece-me que cada vez mais se acredita que o bem não compensa, quando acredito que é exactamente o contrário. E não vou explicar o que é o bem!
Se os recursos são poucos há que partilhá-los, há que ser imaginativo. E não o contrário. Há que ser generoso. Solidário. Dar e receber.
Voltando ao ponto de partida. Faro não é um deserto, mas cada vez me sinto mais no deserto. Só, cansado e sem saber onde me dirigir. E até existem oásis.

4 comentários:

  1. Como qualquer oásis, há que tocar nele realmente para que não seja só óptica iludida dos sentidos com sede. Ainda. Ainda e Até os há.
    Da minha parte, não desisto. Cresce o tronco e novos ramos à sua volta pela fotossíntese do conhecimento, rega da experiência e sol curioso.
    Cumprimentos.
    G

    ResponderEliminar
  2. Entendo Luís. Dizem que Faro é uma cidade madrasta para os seus filhos. E depois admiram-se que alguns se vão embora e parece que ainda ficam ofendidos.

    Entendo Luís, pensei e penso muitas vezes nisso, mas não sei se deserto está no lugar ou nas pessoas.

    ResponderEliminar
  3. E mais:

    o algarve dos outros é realmente fascinante e animado.

    o algarve dos algarvios é diferente. mas se calhar o algarve não é dos algarvios.

    26.08.2010

    ResponderEliminar