domingo, 12 de setembro de 2010

Retrato em tons de azul



Quando acordou o mundo ainda estava ali:
um velho filme mudo que todos os dias se
esforçava por legendar: doia-lhe um pouco
a cabeça e os olhos ardiam-lhe ligeiramente:
deixou que John Mclaughlin lhe emprestasse
um sentido e sentou-se a escrever: uma frase
duas frases três frases: escrevia e rasurava: es
crevia de novo e de novo rasurava: sorria mas
os olhos estavam tristes: entre as palavras e o
mundo uma irremediavel dessincronia.

1 comentário:

  1. Talvez ele pudesse ler Manoel de Barros:

    "para encontrar o azul eu uso pássaros".

    Beijos.

    ResponderEliminar