QUEM QUER SER PORTUGUÊS

QUEM QUER SER PORTUGUÊS
(poema didáctico)

Luís Ene


1

Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo”
Alexandre O’Neill


Ser português nunca foi um problema. Os portugueses sempre foram bons a ser. Mas Portugal mudou, mudou tanto e tão depressa que os portugueses ainda não deram por isso.
Portugal é hoje um país medíocre, o que é bom para um país que sempre foi mau ou mesmo péssimo.
Portugal já não é o mesmo, mudou bastante, os portugueses é que parecem os mesmos de sempre.

Ser português é uma arte antiga, desacreditada e inútil, completamente inútil.

2

O país é pequeno e a gente que nele vive também não é muito grande”
Almeida Garrett


Os portugueses raramente são inteiros, existem apenas do pescoço para cima ou do pescoço para baixo.

O português é sempre pessimista e taciturno. Mas se é pessimista a tempo inteiro, já taciturno só o é por turnos.

Os portugueses quando pensam não agem,
e quando agem não pensam.

O português observa sempre muito, pensa bastante e critica ainda mais, não é de admirar que pouco tempo lhe reste para agir.

Para o português a questão nunca é ser ou não ser, para o português a questão é sempre parecer ou não parecer. Para o português, pior do que ser pobre é parecer pobre. O português parece sempre rico, sobretudo quando é pobre.

O que mais distingue os portugueses é a sua quase obsessiva necessidade de imitar os outros. Apesar do aumento crescente das desigualdades em Portugal os portugueses continuam cada vez mais iguais: nenhum quer verdadeiramente ser diferente.

O português lembra-me muitas vezes aqueles homens que no esforço desesperado de esconder a sua calvície ainda mais a revelam.

O português esforça-se tanto por parecer quem não é que acaba por ser quem afinal parece: alguém a tentar desesperadamente ser quem não é. Ser português não é um estado, ser português é uma aldeia.

O português preocupa-se muito com quem é e com quem não é, quando melhor seria que se preocupasse com o que quer ser; ou então que não se preocupasse de um todo e se limitasse,
apenas,
activamente,
a ser.

A verdade, se querem mesmo saber, é que o português nunca fica bem na fotografia,
nunca fica bem na fotografia e todos os espelhos o deformam.


3

Esta é a ditosa Pátria minha amada”
Luis de Camões


Em Portugal nada se perde, nada se cria, tudo fica na mesma.

Num país atrasado como Portugal, nunca chegar a horas nem cumprir prazos é sem dúvida uma sólida demonstração de sensatez. Em Portugal a justiça não é lenta,
o tempo é que passa cada vez mais depressa.

Em Portugal, o tempo comporta-se de forma muito estranha, o presente repete sempre o passado e o futuro não é mais
do que o presente repetido.

Em Portugal há um equilíbrio perfeito entre patrões e empregados: os patrões têm todo o poder, os empregados têm toda a responsabilidade.

Se existisse um super-herói português estou certo que diria que com um grande poder vem sempre uma grande
irresponsabilidade.

Mesmo quando nunca parece, o português
sempre padece.

Um português nunca está bem ou mal, está sempre assim-assim, ou então mais ou menos.

O verdadeiro português é completamente falso, tanto mais falso quanto mais verdadeiro.

Os portugueses são os primeiros a classificar a sua condição como boa
(uma boa merda, se quisermos ser exactos).

4

Deus e o demónio são incompatíveis em toda a parte, excepto em Portugal”
Teixeira de Pascoaes


O português é um ser paradoxal, vive acima das suas possibilidades e abaixo de cão.

O português não gosta de trabalhar, quando não é preguiçoso é poeta.

O português odeia a corrupção. Odeia-a com a mesma intensidade com que inveja os corruptos. O português não discrimina os outros, o português trata igualmente mal uns e outros.

O português é pacífico, mas revolta-se com facilidade, a mesma facilidade com que de novo se submete.

No que toca à língua, os portugueses lembram alguém que atraiçoa o seu amor, a torto e a direito, por tudo e por nada, e depois afirma que o amor é que é traiçoeiro.

O português quase nunca é quem se julga ser; ou então é quem não é, o que é afinal uma outra forma de não ser.

O português é sempre vários, o problema é que a soma nunca dá certo.

Portugal tem sido tão constante a exportar portugueses quanto a não se importar com eles.

Será que o português não gosta de trabalhar porque é mal pago, ou será que é mal pago porque não gosta de trabalhar?

5

terra de poetas tão sentimentais que o cheiro de um sovaco os põe em transe”
Jorge de Sena


Os portugueses são inventivos e criativos, conhecem 1001 maneiras de cozinhar bacalhau, mas têm um único modo de ser, triste e envergonhado.

Os portugueses riem muito, mas é quase sempre um riso alarve, que ri dos outros e nunca de si mesmo. Talvez por isso, quem sabe, os portugueses sejam tão tristes.

Os portugueses são tristes, tão tristes que os sorrisos têm sempre de se submeter a rigorosos testes de selecção.

Os portugueses são tristes,
são tristes mas não são uns tristes.
Os portugueses são tristes, são tristes e são poetas.
Por isso é que em Portugal tantos poetas são tristes e tantos tristes
são poetas.

Escusado será dizer que o português adora a língua, mais a de vaca do que a de porco, sobretudo quando estufada, com ervilhas.

O português culpa-se muito,
culpa-se muito e desculpa-se ainda mais.

Os portugueses lamentam-se tanto que, quando não se lamentam tanto,
ainda mais se lamentam.

Para o português é sempre tudo ou nada e,
por isso, raramente alguma coisa.

6

O meu país é o país dos quatro efes
João Bentes


O português é persistente, muito persistente, persiste continuamente nos mesmos erros. Ser português é sempre não ser, não ser mais do que isso.

Ser português é afinal uma enorme arte, uma enorme arte e um ainda maior desastre.

Ser Português não se ensina;
mas também quem o quereria aprender?

O corpo humano é constituído por 60 a 70 por cento de água. Fosse vinho e todo o planeta seria português.

O português reage aos problemas e adversidades de forma singular mas invariável: ou somatiza ou soma tusa.

Não ter cão e caçar com gato é ser esperto. Ter cão e caçar com gato é ser português.

Em dias de nevoeiro os portugueses passeiam-se orgulhosamente de óculos escuros.

O pior de ser português, de acordo com a maioria dos portugueses, é que não há nada pior do que ser português

7

No meu país não acontece nada
Ruy Belo


Em Portugal nada se cria, nada se perde, tudo fica na mesma. Nada vale a pena em Portugal, quando não é o corpo é a alma que está mal.

Existe uma tão grande correspondência entre a pequenez do país e a pequenez dos portugueses, que é legítimo perguntar se foi o país que os fez à sua medida ou se foi exactamente o contrário.

Deixassem os portugueses de se preocupar tanto com o seu real tamanho e talvez pudessem
vir a ser do tamanho dos seus sonhos.

O português ora fala de mais ora de fala de menos, que é afinal o que normalmente acontece a quem não tem nada para dizer. Mas o português tem de falar-se, pena é que seja muito melhor
a calar-se.
Esquecida que foi a raça, os portugueses tornaram-se rafeiros. Uma raça de rafeiros, se é que me percebem.

Em Portugal a única regra que não tem excepção é a de que não há regra sem excepção.

Será que os portugueses acreditam em Portugal?
Os portugueses acreditam em Portugal, não parecem é acreditar que são Portugal.

8

Minha pátria é a língua portuguesa”
Fernando Pessoa


Portugal é dos Portugueses, mas só de alguns, dos mesmos que querem vender Portugal.

O português vive mal,
vive mal mas sobrevive bem. O português é inculto, piegas e não gosta de fazer sacrifícios. Não admira assim que tenha
os governantes
que tem.

Saudade é uma palavra que só existe em português. Imarcescível também. E o mesmo para tartamudo.

O português sente sempre saudade da ditosa pátria sua amada, aquele lugar triste onde nasceu e onde cedo conheceu o exílio.

Para o português a sua língua é cada vez mais a sua pátria, uma pátria resistente e portátil que poderá sempre ter consigo quando Portugal não existir.

Se um português está fraco é porque está doente, mas se está forte é porque está gordo.

Os portugueses são infelizes e talvez não o possam deixar de ser, mas bem podiam habituar-se a ser infelizes à vez ou apenas de vez em quando.

Portugal é pequeno e nunca será grande. Mas se nunca será grande, sempre poderia ser Grândola.


9

Eu gosto desta terra. Nós somos feios, pequenos, estúpidos, mas eu gosto disto.
António Lobo Antunes


Há duas formas comuns de ser português.
Uma é falar sempre mal de Portugal. A outra
é nunca falar bem.

O português nunca está ambivalente, nunca,
O português está sempre
ambimedroso.

Portugal é um país de mortos-vivos.
Em Portugal nenhum assunto se resolve,
nenhum assunto fica realmente
morto e enterrado.

Da discussão nasce a luz, é verdade, mas também é verdade que a luz se paga, e está cada vez mais cara. Talvez seja por isso os portugueses evitem tanto discutir.

Não é verdade que os portugueses sejam uma grande seca. Pelo menos 30% são seca extrema.

O homem está entre a besta e o arcanjo, o português está entre a besta e o marmanjo.

O melhor amigo do homem é o cão, o melhor amigo do português é o cão-guia.

Não sei do que o português gosta menos, se de ser mandado, se de mandar, mas, mandem-me onde me mandarem, deixem-me dizer que esse é sem dúvida o principal problema de Portugal.

Portugal, tal como os portugueses, vai sempre andando, andando, andando. Talvez por isso nunca chegue verdadeiramente a lugar algum.

10

Somos um povo de pobres com mentalidade de ricos.
Eduardo Lourenço


Em Portugal a política é sempre uma questão privada. Entre a política e o cidadão não há qualquer relação.

É certo e sabido que os portugueses amam os seus semelhantes. Por isso é que idolatram e escolhem para seus chefes homens sem qualidades, homens que por sua vez acreditam,
acima de tudo,
na ausência de qualidades dos portugueses.

Em Portugal a política e a arte são assunto exclusivo dos políticos e dos artistas, uns e outros tão pequenos
e auto-insuficientes como todos os
portugueses.

Em Portugal nunca se volta atrás com a palavra, em Portugal volta-se sempre atrás com a acção.
Em Portugal decide-se muito, é verdade.
decide-se muito e cumpre-se
ainda mais.

Um verdadeiro português nunca tem orgulho de Portugal mas tem sempre orgulho de ser português. Ou será ao contrário?

Encontrem um homem que se orgulhe de Portugal e dos portugueses e encontrarão um homem ingénuo. Ou então perigoso, perigoso e necessário.

É verdade que os portugueses contam piadas sobre tudo, mas o seu verdadeiro problema nunca foi esse, o seu verdadeiro problema é acreditarem nas piadas que contam.


11

Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar”
Jorge Palma


Portugal é a terra onde vivem os portugueses, mas os portugueses são Portugal, o resto é paisagem.

Houve um tempo em que estávamos orgulhosamente sós. Esse tempo já passou. Agora já não estamos sós. E muito menos orgulhosamente.

Os portugueses invejam quem foram e lamentam quem são. A continuarem assim, grande coisa nunca
serão.

Os portugueses não acreditam na providência, mas acreditam em homens providenciais. O impossível parece-lhes sempre mais apetecível.

É verdade que os portugueses avançam sempre de olhos postos no passado e, em consequência, de costas voltadas para o futuro, mas isso não me parece um problema. Para alguma coisa existem os espelhos retrovisores!

Os portugueses dividem-se entre os que detestam e os que idolatram o processo de decisão, o que é o mesmo que dizer que um português, qualquer que ele seja, nunca chega realmente a decidir o que quer que seja.

Os portugueses têm de mudar.
Nem que para isso tenham de deixar de ser portugueses.

Os portugueses têm de mudar.
Ou mudam o país ou mudam de país.

12

Eu sou o meu país,
sou aquele que se cala, sou aquele que se diz.
Sou o meu país e isso é que me dói.
Sou o meu país e isso é que me rói.




7 comentários:

  1. achei sensacional!!! cheio de espírito e rigor crítico... só não sei se existe realmente verdadeira incompatibilidade entre ser preguiçoso e ser poeta... mas isso com certeza deve fazer também parte da arte de ser português... :)

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, não há incompatibilidade nenhuma, o português é bom a gerar e a gerir paradoxos :)

    Luis

    ResponderEliminar
  3. Que palhaçada é esta??
    Que grande merda!!
    Viva Portugal!

    ResponderEliminar
  4. Que palhaçada é esta??
    Que grande merda!!
    Viva Portugal!

    ResponderEliminar
  5. Vítor, eu também quero ser português.

    ResponderEliminar