sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

AFORRISMOS - #jaalguemdeveterditoisto

Há os que têm tudo e nunca têm nada e os que têm sempre tudo mesmo quando nada têm.

O bode expiatório tem as costas largas.

Tentar fazer já é fazer. Quanto mais tentas mais fazes.

Saber ouvir (os outros e a nós mesmos) é pura sabedoria.

A sabedoria pode ser muda, mas nunca é surda.

Nada tem sentido, somos nós que conferimos sentido a tudo.

A vida é, basicamente, como diria a minha filha, amar e sofrer.

Escrever é a minha forma de estar calado.

O que nos define é o modo como lidamos com as nossas limitações.

Acredito tanto mais em mim quanto mais duvido de mim.

Quando falamos mal dos outros é quase sempre de nós que falamos.

Se queres parecer inteligente, cala-te.

Bizarro quantas vezes se nega o amor em nome do amor!

A escrita é uma rede que tudo captura e tudo deixa escapar.

Talvez a verdade seja uma ilusão, mas a sua procura é bem real.

Raramente me zango com quem quer que seja, fico apenas triste e desiludido.

Quanto maior é a intensidade com que vivemos maior é o controlo que necessitamos e menor é o controlo que temos.

Se queres que te ouçam, experimenta calar-te.

Existe a maré alta e a maré baixa, mas o mar é só um.

Fazer com que as pequenas preocupações se tornem grandes é a forma mais comum de nos preocuparmos.

O mais sério que podes ser/fazer é não te levares (demasiado) a sério.

Se não duvidas, nem por um momento, de estar certo, já estás errado.

Só há uma única forma de fazer e é fazendo. Tentando, errando e persistindo.

Não sou nem tão sábio nem tão tolo quanto precisaria para conhecer a serenidade.

Quando, numa relação, um nunca tem razão, a razão só pode ser o outro.

Prefiro os sábios aos cultos. Os sábios podem não ser cultos, mas nunca serão idiotas. Já os idiotas, muitos são cultos.

A verdade seria muitas vezes óbvia e acessível, não a julgássemos nós quase sempre obscura e inacessível.

Não te esforces, nunca te esforces, limita-te a fazer.

Não há escritores menores, há apenas escritores baixos.

Se já perdeste a guerra, porque ainda travas batalhas?

Nunca se é culpado desde que se seja responsável (ou não).

Sou como sou, o que quer que isso seja.

Ser livre é (ser capaz de) escolher a que (ou a quem) servir.

Para que exista um diálogo é preciso que todos estejam disponíveis para ouvir. Se tal não acontecer, estou fora. Se então me acusarem de não estar disposto a ouvir, é porque não estou mesmo.

Talvez ser menos seja ser mais.

Estar concentrado não é ser menos, é ser mais.

Gostar ou não gostar, eis o Facebook.

Age como tiveres de agir que eu agirei como tiver de agir. Sem ressentimentos.

A verdadeira força é fazer das fraquezas força.

Queres ser compreendido/a? Talvez devas começar por tentar compreender os outros!

Persisto porque é da minha natureza persistir, ou sou assim apenas porque persisto?

Ter uma imagem de si mesmo melhor do que aquela que os outros têm de si, não só é normal como também é necessário.

O mais importante é quase invisível. Podes pressenti-lo mas não podes vê-lo.

Não procures fora de ti o que só dentro de ti existe.

Não sabermos quem somos é sermos. Ser é sempre estar à procura.

Cada vez mais me preocupo menos com o que não é importante.

Pior que ser parvo é não saber que se é parvo.

Ser ridículo é inevitável quando se é humano, mas mais vale ser do que parecer.

Cala-te com frequência, não só ouvirás mais como a vida te correrá melhor.

Somos tão bons a criar regras como a criar excepções.

Umas vezes é preciso encher a taça, outras vezes é preciso esvaziá-la.

Enganar os outros é fácil, difícil é ser honesto.

Não acreditas em ti porque existes, a verdade é que existes porque acreditas em ti. Acredita em ti.

Os defeitos e as virtudes têm muito menos importância em si mesmos do que o modo como os encaramos e usamos.


Ao amor não interessa se é correspondido ou quanto tempo dura, ao amor basta-lhe existir.

Sem comentários:

Enviar um comentário