sexta-feira, 24 de setembro de 2010

quod erad demonstratum



Algumas discussões sobre literatura (e não só) que ainda persistem devem-se sobretudo (estou convencido que assim é) ao pouco que se conhece e ao pouco que se lê. Relativamente a certas discussões lembro-me sempre de um filme do Woody Allen em que o personagem tira um autor da cartola (por assim dizer) para pôr fim a uma discussão. Não podendo fazer isso pode-se sempre ir buscar um exemplo, em vez de apresentar outos argumentos. Quando na Minguante diziamos que a micronarrativa podia ser em verso algumas pessoas questionaram, assim como algumas pessoas questionam que contar uma história possa ser poético (que uma simples história possa ser um poema). Pois bem, um exemplo, entre muitos, de um poeta com autoridade, um prémio Camões, se é que um poeta pode pode ser autoridade, se é que um poeta precisa de prémios para se afirmar.

--->

Meu pai


meu pai foi
ao Rio se tratar de
um câncer (que
o mataria) mas
perdeu os óculos
na viagem

quando lhe levei
os óculos novos
comprados na Ótica
Fluminense ele
examinou o estojo com
o nome da loja dobrou
a nota de compra guardou-a
no bolso e falou:
quero ver
agora qual é o
sacana que vai dizer
que eu nunca estive
no Rio de Janeiro

Ferreira Gullar

--->

saiba mais sobre Ferreira Gullar aqui. aconselho os e-poemas

1 comentário: