quarta-feira, 17 de junho de 2009

dúvida




Os corpos dos amantes procuram em vão. Nunca, por mais que tentem, serão como o rio e as suas margens. Estamos sós, tão sós, e o amor é sempre um regresso ao ponto de partida. Só podemos encontrar o que já existe há muito dentro de nós.

Sem comentários:

Enviar um comentário